No pântano do ressentimento
Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Wilson acredita ter uma vida injusta, que não é verdadeiramente reconhecido, que não tem seu esforço e dedicação valorizados. Vive o conflito de merecer, mas ser constantemente desmerecido. Ele vegeta no pântano do ressentimento. Jaz à sombra dos incompetentes. Dói em Wilson o sucesso do fracassado que o passou pra trás, atropelando sua pureza moral. Magoa-o profundamente o descaso com que é tratado por todos à sua volta. Ele vive o desinteresse do outro, que não enxerga sua virtude.

Ele sempre se esforça para ser o melhor. Wilson cumpre com seu deverFaz jus ao reconhecimento de seu valor. Ele enaltece a ordem social estabelecida e as posições de autoridade. Tem orgulho de compor a parte obediente e dedicada da sociedade… a parte que presta e é merecedora de honrarias. Está alinhado ao consenso nacional, à história da pátria, ao berço da concordância e da conformidade.

Nunca brigamosNossa história não foi talhada a ferro e fogomas com amor e alegria. Somos fruto da paz e da harmonia social; nunca de conflitos, lutas e contradições. Somos a imagem que o outro, que tanto admiramos ao norte, tem de nósNão somos o outro, ao sul do Mediterrâneo, que o mundo insiste em reconhecer em nósSomos unidade, jamais diversidade. Nossa história só nos faz orgulhosos de quem somos… de quem Wilson acredita ser herdeiro.

Ele não pensa em mudar o mundo ou transformar as injustiças sociais. Se são sociais, não passam de contingências. Injustiças, mesmo, são as que ele vive. Estas precisam urgentemente ser superadas. Injusto é o mundo que não recompensa sua disciplina, seu empenhoComo tanto esforço pode ser tão pouco valorizado?  Ele aguarda o afago. Espera o reconhecimento que lhe foi prometido. Wilson não luta. Ele apenas sofre. Sua expectativa é passiva. Ela é uma decorrência de sua dedicação individual. Seu compromisso é com ele mesmo, com a auto-ilusão de que é vítima de uma injustiça pessoal. Seu maior desejo é a consideração do outro em relação à sua condição. Mas no fundo ele só espera esquecer sua omissão diante dos outros, sua covardia diante da dor alheia, sua sujeição voluntária à opressão, sua amargura pela autoridade não premiar, como deseja, sua obediência e sacrifício. São afetos em cascata: sua existência como comportado, subserviente, injustiçado, ressentido.

Wilson sempre fez por merecerEm nenhum momento cedeu aos apelos coletivos de luta por conquistas sociais. Enfrentamento e controvérsia fazem parte do universo dos fracassadospreguiçososbaderneiros… o mundo dos vândalos, que ele sempre desprezou. Seu respeito e submissão à ordem estabelecida sempre foram na contramão de qualquer movimento contestatório. Como a lealdade ao status quo não é reconhecida? Como o peito pode permanecer sem condecorações por mérito próprio e fidelidade à hierarquia? Wilson se angustia. Por que tanta privação? Por que os desejos de realização e reconhecimento são usurpados por tantos desqualificados?

Raiva, rancor, inveja, mágoa e vingança reprimida não existem em seu vocabulário. Wilson é uma ilha de virtude cercada de corrupção por todos os lados. Ele é nobreNão tem sentimentos negativos. Seu coração é puro, sua moral é ilibada, sua integridade é inegociável. Ele não conhece concessão. Está acima de qualquer suspeita. É um ser moralmente superior. Mas algo deu errado em sua vida. Logo ele, tão justo, destinado ao sucesso, se viu injustiçado. Poucos reconhecem o mérito de sua dedicação. Tão corretonão deve a ninguém, além de si próprio, suas inúmeras competências. A indiferença com que é tratado, no entanto, em tudo o prejudica. Para ele, o desqualificado destrói o valor de seus esforços.

Wilson está convicto de sua condição de vítima da opressão de bandidosbaderneirosusurpadores. Estes, sim,  privilegiadosA justiça divina tardamas não falha. Chegará o dia em que será vingado… não por suas mãos cheias de virtudes, mas por um herói que restaurará a ordem natural das coisas. Ele não deseja vingança. Wilson é puro. Ele apenas aguarda justiça… sua própria concepção de justiça.

Não interessa mi-mi-midireitos-humanoscotas-raciaisseguro-desempregobolsa-vagabundopasse-livresaúde-de-graçaeducação-sem-mensalidadeprevidência-estataldécimo-terceiro-salárioférias-remuneradas. Wilson está farto de jabuticabas intervencionistas. Ele está cansado de seguir as regras e ser preterido. Como ele, uma legião de ressentidos aguarda a redenção dos puros, o extermínio dos desviantes, a aniquilação do diferente. O outro é fonte de sofrimento. O outro habita o seu coração. O outro que se exploda! E Wilson vai junto pelos ares.


Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Leave a Reply

Your email address will not be published.