Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Sérgio tem vinte e três anos, ensino médio completo e está desempregado. Mas é por pouco tempo. Sempre estudou sem cotas. Não é de mi-mi-mi. Trabalha desde os doze. Nunca teve vínculo empregatício formal. Sonha em ser guarda municipal: emprego estável, carteira assinada, trabalho digno e bom salário. Ele tem mérito. Poucos têm. Ele é um deles. Está certo disto. Seu bairro precisa de segurança, ordem e gente honesta. Com seu trabalho, um dia Sérgio vai ajudar a vizinhança a resgatar o passado de paz, respeito e prosperidade.

Sua comunidade na periferia da Baixada Fluminense é muito violenta. Sérgio acredita que a autoridade legítima tem medo de chegar lá. Mas isto vai mudar. Em breve, ela fará uma visita e expulsará todo o mal que controla o lugar. Para ele, os agentes do Estado ainda não têm poder para atuar em sua comunidade. Falta ordem. Não há segurança, nem para o Estado. Mas é por pouco tempo.

Homem é homem. Mulher é mulher. São diferentes. Todos precisam de um modelo: firme, correto e seguro. Todo mundo precisa de um rumo. Sérgio tem suas convicções e não está sozinho. Ele acredita em um mundo justo. Se não é justo é porque falta comando, exemplo forte, disciplina e temor a Deus. Sérgio acredita que, hoje, estamos no caminho certo. Está no poder a sua última esperança. Tudo vai mudar. Ainda têm muita gente atrapalhando o presidente, mas é por pouco tempo. Essa gente será afastada.

Sua mãe nunca contribuiu para a previdência social. Sua vó nem é aposentada, nem é pensionista. Ninguém em sua família se aposentou ou vai se aposentar. Nenhum de seus vizinhos é aposentado. Na verdade, Sérgio não conhece qualquer pessoa aposentada… ao menos alguém que também o conheça. Ele sabe que existem aposentados. Em geral são privilegiados. Mas é por pouco tempo. Essa mamata vai acabar. Ele não sabe que a previdência social é uma rede de solidariedade. Ele não sabe o que é previdência social, nem rede social de solidariedade.

As leis trabalhistas mudaram para gerar empregos. A nova previdência vem para fazer justiça. Quem trabalha vai poder viver bem e um dia se aposentar. Com os empregos que serão criados, as pessoas honestas e trabalhadoras terão um salário digno. Com a nova previdência, não haverá discriminação. Quem merece, como Sérgio, vai receber uma aposentadoria justa e terá uma velhice digna. Vai na fé, meu irmão. Confia em você.

Quem trabalha duro, se dedica aos estudos, se esforça para conquistar um bom emprego… faz por merecer. Ainda não é assim para todos. Mas é por pouco tempo. Quem se empenha tem mérito. Quem merece ganha bem, pode pagar os estudos dos filhos e a saúde da família, pode comprar um carro e os serviços de segurança, não precisa de Estado. Não tem mi-mi-mi. Trabalha e conquista. Alcança suas metas. Realiza seus sonhos. Merece o que conquistou.

Sérgio vai ter tudo isso. Ele batalha e tem mérito. Ele não acredita no Estado. Ele confunde governo com Estado. Com ele não tem mi-mi-mi. Para ele, Estado tem de ser mínimo. Na verdade não precisa de Estado. O que precisa é de governo forte. E, para isto, já tem o que ele apoia. Quem boicotar o presidente será expulso, banido. Não há muitos opositores. Estão agarrados aos seus privilégios, mamando nas tetas do Estado. Mas é por pouco tempo. Ou vão se adequar ou desaparecer. Sérgio não explica como. Só franze a testa e levanta as mãos. Faz cara de você-já-sabe.

Homem honesto é chefe de família, é gente de bem. Sérgio vai se casar, será pai de família. Terá uma residência segura em uma rua asfaltada, com saneamento básico. Sua mulher vai fazer pré-natal. Será transportada para dar à luz. Seu filho vai nascer em um hospital bacana. Estudará em uma boa escola. Sérgio terá um emprego formal com carteira assinada, quem sabe como guarda municipal. Ele luta por tudo isto e vai conquistar sozinho. Com certeza. Ele merece. Vai ganhar bem, sem mi-mi-mi. Não precisa de Estado. Ele vai pagar pela casa segura, pela rua asfaltada, pelo saneamento básico, pelo transporte em carro particular, pelo plano de saúde, pela escola privada, pelo título de capitalização… por tudo que ele ainda não tem. Mas é por pouco tempo. Já, já, chegará o carnê do banco para pagar. Ele até poderá parcelar no cartão de crédito.


Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Leave a Reply

Your email address will not be published.