TEXTO DE ENCERRAMENTO DO 8M 2019 EM BH
Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

SEGUIREMOS EM LUTA ATE QUE TODAS SEJAMOS LIVRES DA EXPLORAÇÃO, DA OPRESSÃO E DA VIOLÊNCIA

Por Dirlene Marques

Uma alegria enorme estar aqui nesta praça com tantas mulheres e homens de luta. E é muito bom saber que não estamos sós.

Estou aqui hoje representando um coletivo de grupos, movimentos sociais e mulheres independentes que desde dezembro iniciou a organização do 8 de marco, fazendo encontros por toda a região metropolitana. O carnaval foi também um lindo instante de manifestações feministas. Este ato é a convergência destas iniciativas.

Vivemos um momento histórico desafiador. Momento em que a crise econômica, política, social, ética, ambiental que já vem de alguns anos e que agora, adquire uma nova conotação: de ódio as diferenças. Bolsonaro, pela sua história e pela sua retorica, é a expressão da crueldade contra as mulheres, os negros, os pobres, as periferias, os indígenas, os movimentos LGBTI+. Representa o fortalecimento de uma nova direita, que é contra os direitos civis, a diversidade social e a pluralidade cultural. Vendo essa onda retrógrada e machista que está rolando temos a clareza de que foi o nosso avanço e a nossa autonomia que ameaçam e faz com que queiram a todo custo nos fazer retroceder. Mas não seremos intimidadas. Desde as eleições pairavam estas ameaças e empunhamos o #Elenao, denunciando o ódio e exigindo respeito e direitos iguais. Foi um calor humano intenso que fortaleceu a todas nos.

As mulheres mineiras também convivem com o horror que foi o crime da Vale, que se seguiu ao da Samarco. As centenas de mortos, de pessoas desabrigadas, a todo o povo atingidos pela lama, as vidas destruídas das populações indígenas, pescadoras, dos quilombolas, produtoras rurais familiares que viviam do Rio, não será em vao. O povo mineiro não vai se esquecer. Hoje tem uma consciência generalizada que as barragens são letais. E que as elites políticas e econômica não tem nenhum compromisso com a vida. Mas nós temos. Por isto, estamos hoje dizendo que “nossas vidas valem mais”. Valem mais do que o lucro da vale, do que os ganhos exorbitantes do sistema financeiro, do que a especulação imobiliária. E q. a mineração mata agua, mata rio, mata gente.

Quem somos nós? Somos mulheres e diversas. Somos feministas. Somos força poderosa de mudança. Somos mães que choram seus filhos violentados e mortos. Somos aquelas que trabalham dentro de casa e não são reconhecidas. Que trabalham fora e recebem salários menores. Que fazemos as lutas. Temos assim a tripla jornada de trabalho. Somos aquelas que lutam por autonomia. E isto é ameaçador e a reação e violenta.
Nos mulheres sabemos o que é a violência em nosso cotidiano. Violência que vai ser ainda maior sobre as mulheres negras, indígenas, trans, periféricas. Em Minas, o aumento do feminicidio, e assustador. Por isto, nada mais significativo do que empunhar a bandeira da Marielle. Mulher negra, lesbica, periférica, socialista, e vereadora. Que ousou ser livre. Que com um mandato voltado para o social, incomodava e foi assassinada. Até hoje, passado um ano: ainda queremos saber: Quem mandou matar Marielle? Queremos justiça para Marielle e para todas as mulheres. Fazemos aqui uma saudação a Mangueira que fez do carnaval o que ele deve ser: o espaço da alegria, da beleza e da denúncia. E saudamos também o carnaval de BH e a todos os blocos feministas que encantaram o carnaval e estão aqui conosco.

A violência acaba sendo amplificada devido a profunda crise que vivemos e as respostas das elites políticas e econômicas: mais cortes para o social. Assim, áreas que já são precárias como a saúde, educação, moradia são ainda mais atingidas. Mas não satisfeito, o governo vai mostrar a violência e o desprezo para com o povo brasileiro, com a proposta da reforma da previdência em tramitação no congresso. Reforma que destroe os poucos direitos sociais e previdenciários conquistado ao longo de anos de luta. E as mulheres são as mais atingidas já que somos a maioria entre as pessoas desempregadas, somos as que ocupam os empregos precários e informais, sem carteira assinada, sob dupla e tripla jornada, com uma situação de total de instabilidade. Nestas condições, como contribuir por 40 anos já que entramos e saímos do mercado de trabalho? Temos de ter claro que a aposentadoria e um direito que temos ao sustentar a economia com o nosso trabalho. Por isso a previdência social tem de ser publica, universal e solidaria.
Por todas estas lutas históricas e atuais, nos juntamos. Não há outro caminho possível. Tem de ficar claro que não preparamos apenas um ato, um 8 de Março. Estamos unindo os diversos movimentos e grupos para um processo de resistência unificado, que deve seguir com o 14M quando faz 1 ano do assassinato de Marielle e Anderson.

Vamos também desenvolver um trabalho intenso com as e os parlamentares no “vira-voto” da reforma da Previdência.

Lutamos e nos unimos para salvar nossa flora, fauna, agua e o ar. Para salvar as terras indígenas e quilombolas que apesar da violência genocida histórica, nunca renunciaram a preservar o território e a cultura de seu povo.

Lutamos e nos unimos pela liberdade das negras, que moldaram a natureza deste país. Nós não podemos esquecer que vidas negras importam. E que este é um país ancorado na escravidão e no colonialismo.

Temos de estar juntas para fazer o enfrentamento às políticas neoliberais de retirada de direitos e conquistas e não permitir mais nenhum retrocesso!

Reconhecemos e honramos nossa história. Sabemos que temos muitas batalhas pela frente e que não nos dispersaremos.

Quero terminar com uma frase da rosa Luxemburgo: Por um Mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres.


Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Leave a Reply

Your email address will not be published.