ASSASSINOS DE MARIELLE PRESOS!
Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

A cereja que faltava no bolo do impeachment de Bolsonaro.

Por que será que Bolsonaro jamais defendeu apuração rigorosa do assassinato de Marielle e Anderson ?

Quando Bolsonaro era candidato e as redes sociais teimavam em mostrar o monstro que era, seus apoiadores, não raro diziam: pelo menos não é corrupto.

Vieram as denúncias de caixa 2 e disparo ilegal de Fake News pelo WhatsApp, Bolsonaro disse que não tinha culpa, que não era ele e sim seus eleitores, e muita gente acreditou e ainda disse: “eu faço campanha de graça”.

Antes mesmo de assumir vieram os escândalos revelados pelo COAF revelando movimentações para lá de suspeitas do ex-motorista de Flavio Bolsonaro – filho mais velho de Bolsonaro – eleitor senador pelo Rio de Janeiro. O valor movimentado era absolutamente incompatível com seus vencimentos. Havia até um depósito na conta da esposa do “Mito”, Michele Bolsonaro. Bozoró disse que era o pagamento de um empréstimo. Os procuradores da República de Curitiba, “paladinos da moralidade”, não falaram nada, nem pelos recibos perguntaram.

Vieram as evidências de envolvimento da família Bolsonaro com a milícia que, de acordo com as investigações, assassinou Marielle e Anderson. O Moro Ministro, a República de Curitiba, os bolsominions de todo o país nada falaram.

Os assassinos de Marielle têm ligações estreitas com a família Bolsonaro, seu filho Flávio já inclusive homenageou um dos assassinos.

A grande imprensa, que mesmo vil e viciada era atacada por Bolsonaro todos os dias, só tinha olhos para a Reforma da Previdência, e tudo fez para blindar o presidente.

Mas veio o carnaval e ninguém foi capaz de conter o povo em todo o país protestando das formas mais irreverentes possíveis contra Bolsonaro.

Bolsonaro reagiu, postou um vídeo pornográfico, já tinha gente falando em quebra de decoro, a imprensa como sempre, blindando. As repercussões com o vídeo ainda não tinham passado, e já Bolsonaro aprontou outra ao dizer que “só tem democracia se os militares quiserem”. Os próprios militares nem conseguiram explicar direito que “não era isso que o presidente queria dizer”, e já Bolsonaro novamente voltava ao centro das atenções dessa vez por divulgar pelo twitter mais uma fake News dessa vez contra uma jornalista. Mas como é rápido esse presidente!

Não há tempo e espaço para falar da Reforma da Previdência (a pior proposta de todos que felizmente não tem nem 50 votos na Câmara), do absurdo dessa tal de “lava-jato da educação”, das trapalhadas de Velez Rodrigues e Damares ou mesmo do ROUBO (não tem outro nome) de 2,5 bilhões da Petrobrás pelos procuradores da lava-jato.

Já chega, isso já passou do suportável há muito tempo. O povo quer saber: o que falta para o impeachment? Como processo eminentemente político, o afastamento de um presidente não se faz apenas com o crime de responsabilidade. Pelo contrário, o crime de responsabilidade nem precisa existir (caso de Dilma). O que é realmente necessário, é a situação de absoluto isolamento e ingovernabilidade, de crise moral e de grande descontentamento popular. Bolsonaro está queimando muito rapidamente a gordura de popularidade e de apoio político. Está se isolando e tornando-se chacota como jamais algum presidente antes dele foi (e muitos como eu, não estão nada surpresos com isso).

Fato é que, até agora, mesmo com o volume de notícias negativas, com todas as mentiras flagradas (foram 82 em 68 dias de governo), com todas as evidências de corrupção e imoralidades, Bolsonaro ainda não chegou ao estágio de ingovernabilidade, ainda tem um grupo expressivo de apoio na sociedade civil capazes de impedir, até agora, a sua queda.

Mas eis que em meio a tudo isso, hoje, 12 de março de 2019 a polícia do Rio Prende dois suspeitos de matar Marielle e Anderson. Não é caso mais de perguntar quem matou Marielle e Anderson, mas quem MANDOU matar Marielle. Seria leviano de nossa parte apontar para Bolsonaro e sua família?

Um dos presos, justamente o acusado de atirar em Marielle, mora no mesmo condomínio de Bolsonaro. Um condomínio de Luxo na Barra da Tijuca, totalmente incompatível com o salário de um sargento reformado da PM do Rio de Janeiro. Poderia objetar algum apoiador de Bolsonaro que isso não é prova. E realmente não é suficiente, mas e quanto as fotos do próprio Bolsonaro e seus filhos com um dos presos de hoje?

Por mais que se tente blindar Bolsonaro e os seus, as ligações entre sua família e o crime organizado são mais que evidentes, não se trata de especulação, mas de provas maiúsculas.

As evidências de quebra de decoro, de inúmeras situações incompatíveis com o exercício da presidência da república são de conhecimento internacional. Os indícios de ligações com a milícia são, no mínimo, muito mais fortes que as provas do triplex do Lula e que serviram para o colocar na cadeia. O envolvimento com os que mataram Marielle são reais, circunstanciais, mas tangíveis. A defesa que Bolsonaro e seu clã fazem dos assassinatos e política de extermínio são mais que evidentes.

O que falta para o impeachment?

Daqui a dois dias completaremos um ano do assassinato de Marielle e Anderson. Oxalá daqui a dois dias trabalhadores e trabalhadoras ocuparão todas as ruas desse país exigindo justiça. Que importará nesse momento qualquer twitter de Bolsonaro. Não haverá vídeo pornô capaz de contrastar o povo de verdade nas ruas.

E aí não faltará mais nada!


Compartilhe nas redes sociais
  •  
  •  
  •  
  •  

Leave a Reply

Your email address will not be published.